Arte Pública

 

Brasão de Lagos
 
Brasão de Lagos
Obra em calcário representando a Heráldica Municipal de Lagos, constituída por um pano de muralha com duas torres, encimadas pelas Armas do Infante D. Henrique. Da autoria do lacobrigense José Arvelos, está situado no Jardim da Constituição.
Descrição das Armas de Lagos - Escudo de azul, com pano de muralha de ouro, lavrado de negro, movente dos flancos e uma porta do mesmo, ao centro, flanqueada de duas torres do segundo (ouro), abertas, iluminadas e lavradas de negro também, tudo assente num mar ondeado de prata e verde de cinco faixas; em chefe, as armas do Infante D. Henrique. Coroa mural de prata de cinco torres. Listel branco com a legenda LAGOS, a letras negras.

 


Busto de Júlio Dantas 
 
Busto de Júlio Dantas
Monumento em bronze, da autoria de Tolentino Abegoaria, constituindo uma homenagem do Rotary Clube de Lagos a Júlio Dantas (1876-1962), médico, diplomata, político, escritor e dramaturgo lacobrigense. Localizado na área envolvente do Mercado de St. Amaro.

 


Monumento ao Padre Glória 
 
Monumento ao Padre Glória
Localizado no Largo da Igreja de Bensafrim, esta escultura de Tolentino Abegoaria homenageia Antonio José Nunes da Glória, o pintor, escultor, arquitecto, professor e humanista que foi, também, presidente da junta da parochia e padre de 1882 a 1916. Ajudou a construir a igreja, existindo no seu interior muitas pinturas e talha feitas por ele.

 


Busto de Salgueiro Maia 
 
Busto de Salgueiro Maia
Monumento em bronze evocativo ao Herói da Revolução dos Cravos inaugurado em 25 de Abril de 2004. Localizado na Praceta Salgueiro Maia (junto ao Edifício das Finanças). Da autoria de Jorge Coelho.

 


Escultura Dia Internacional da Criança 
 
Escultura Dia Internacional da Criança
Obra em betão inaugurada em 1979, no âmbito das Comemorações do Ano Internacional da Criança, da autoria de José Vieira Cabrita. Situada na Rua Porta de Portugal.

 


Escultura O Tempo do Homem na Terra 
 
Escultura O Tempo do Homem na Terra
Este mobile, da autoria de Paulo d’Eça Leal, é constituído por uma esfera de 3,15m de diâmetro ligada a uma chapa. No meio das duas peças existe um eixo que permite a oscilação da esfera ao sabor do vento que empurra a chapa. O suporte é uma estrutura cúbica metálica. Instalada na Rotunda da Avenida das Comunidades Portuguesas.

 


Escultura Primavera em Lagos 
 
Escultura Primavera em Lagos
Escultura que recorre aos cromatismos e texturas de distintos materiais – mármore branco de Estremoz, aço inox, brechas de cores várias, vidraço vermelho e ruivina -, para celebrar a Primavera. Da autoria do escultor lacobrigense José Maria Pereira, está localizada na rotunda do Porto de Mós.

 


Estátua a El Rei D. Sebastião 
 
Estátua a El Rei D. Sebastião
Localizada na Praça Gil Eanes, esta escultura é da autoria de João Cutileiro. Inaugurada em 1973, perpetua a memória de D. Sebastião que elevou Lagos a cidade em 1573 e daqui partiu, em 1578, à conquista de Alcácer Quibir, na fatal expedição militar a Marrocos. Em torno do desaparecimento do rei formou-se o "Mito do Sebastianismo" que perdurou na memória do povo, na literatura e na filosofia portuguesa até aos dias de hoje. O povo recusando-se a encarar o trágico e fatal destino do rei, acreditava que este haveria de voltar num dia de nevoeiro.

 


Estátua a Gil Eanes 
 
Estátua a Gil Eanes
Localizada no Jardim da Constituição, esta estátua da autoria de Canto da Maia é uma homenagem ao lacobrigense, escudeiro do Infante D. Henrique, que em 1434 dobrou o Cabo Bojador. O navegador está representado junto a um barril, vaso improvisado contendo uma planta, símbolo da descoberta de terra para além do Cabo Bojador.

 


Estátua a São Gonçalo de Lagos 
 
Estátua a São Gonçalo de Lagos
Localizada no cimo da Avenida dos Descobrimentos, perto do local panorâmico conhecido por Chão Queimado, encontra-se o monumento a São Gonçalo, padroeiro da cidade, da autoria do artista lacobrigense Tolentino Abegoaria.

 


 
Estátua ao Infante D. Henrique 

Estátua ao Infante D. Henrique
Localizada na Praça Infante D. Henrique, antiga Praça da República/ da Constituição/ do Município/ do Pelourinho/ dos Touros, foi inaugurada em 1960. De autoria do escultor Leopoldo de Almeida, constitui uma obra de arte que imortaliza a figura do Infante e a sua estadia em Lagos durante parte significativa da sua vida. Daqui terá dirigido a fase inicial dos Descobrimentos Portugueses. É conhecido mundialmente pelo cognome de "O Navegador".

 


Estela da Fonte Velha 
 
Estela da Fonte Velha
Localizada na Praça do Mercado em Bensafrim. Da autoria de Tolentino Abegoaria. È uma réplica da lápide funerária datada da I Idade do Ferro do Sul de Portugal (c. 800 a.C.) encontrada pelos arqueólogos Estácio da Veiga e Santos Rocha, no sítio da Fonte Velha ou Solões da Mina, em 1882.

 


Fonte das Oito Bicas 
 
Fonte das Oito Bicas
Obra em calcário da autoria de Rui Paula. Representa a antiga Fonte Manuelina que no Século XVI abastecia a população. Rui Paula foi responsável por um conjunto de intervenções em vários centros históricos do País, nomeadamente em Lagos, onde integrou o Gabinete Técnico Local da Câmara Municipal de Lagos. Situada na Rua Garrett.

 


Instalação Sem Título de Jorge Vieira 
 
Instalação Sem Título de Jorge Vieira
Obra realizada na década de noventa, constituída por tubos com cromatismo multicolor que, à noite, através de iluminação direccionada, produz efeitos luminosos invulgares. Situada na Avenida dos Descobrimentos, perto do edifício dos CTT.

 


Monumento ao Pescador 
 
Monumento ao Pescador
Homenagem da Câmara Municipal de Lagos aos pescadores em sinal de apreço pela classe piscatória e pelo contributo prestado ao desenvolvimento socioeconómico desta terra. Foi inaugurado em 25 de Abril de 1995 e é da autoria de Tolentino Abegoaria. Está localizado no Bairro dos Pescadores.

 


Monumento aos Mortos da Grande Guerra 
 
Monumento aos Mortos da Grande Guerra
Monumento que presta homenagem à participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial. Nesta Guerra iniciada em 1914, Portugal manteve uma atitude de neutralidade, apesar da aliança comercial que tinha com a Inglaterra. Porém, e por pressão dessa mesma aliada, o Governo Português foi obrigado a aprisionar vários barcos de origem alemã que se encontravam no Tejo, ao que a Alemanha respondeu, declarando guerra aberta a Portugal. O Corpo Expedicionário Português participou na batalha de La Lys na Primavera de 1918, sofrendo grande número de mortes. O conflito terminou em Novembro de 1918. Situado na Praça Luís de Camões.

 


Monumento aos Navegadores 
 
Monumento aos Navegadores Lacobrigenses
Da autoria de Xana, este monumento foi concebido para homenagear os navegadores lacobrigenses que, com determinação e impulsionados pelo Infante D. Henrique, iniciaram no Século XV as viagens de descobrimento. Inaugurada em 1997, a escultura apresenta diferentes leituras, conforme o ângulo em que a olhamos, reforçando a ideia do processo evolutivo da dinâmica das navegações, dos Descobrimentos e do pensamento. A espiral evoca o movimento progressivo e contínuo do mar e do desconhecido. Situado na Avenida dos Descobrimentos, perto do Mercado Municipal.

 


Monumento Liberdade, Diálogo e Democracia 
 
Monumento Liberdade, Diálogo e Democracia
Da autoria de Vera Gonçalves, foi inaugurado em 1999, no âmbito das comemorações do 25 de Abril. O conjunto dos elementos Terra, Homem, Diálogo, e Luz, representados por um círculo de cadeiras luminosas, sobre uma calote esférica feita de pequenas pedras azuis, constituem um monumento ao diálogo, aos 25 anos de vida democrática em Portugal, e aos 25 anos do 25 de Abril. Situado na Avenida da República.

 


Monumento O Mar, a Mulher e a Terra 
 
Monumento O Mar, a Mulher e a Terra
Da autoria de Eduarda Coutinho foi inaugurado em 8 Março de 2001, no âmbito das comemorações do Dia da Mulher. Divide-se por dois pólos: Rua Infante de Sagres (Lagos); e Avenida dos Pescadores (Vila da Luz).

 


Padrão Comemorativo do 10 de Junho 
 
Padrão Comemorativo do 10 de Junho
Da autoria de Jorge Mealha, foi inaugurado no dia 10 de Junho de 1996 pelo Presidente da República, Dr. Jorge Sampaio. Neste ano Lagos foi palco das comemorações nacionais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Localizado na Avenida dos Descobrimentos, perto do Forte Ponta da Bandeira.

 


Rosa-dos-ventos 
 
Rosa-dos-ventos
Enorme rosa-dos-ventos que evoca o passado lacobrigense ligado à navegação marítima. Localizada na rotunda da Estrada da Meia Praia, foi inaugurada em Janeiro de 1998. Escultura e Design de Soren Ernst com Arquitectura e Direcção de Execução de António Fernandes.

 


Rotunda da Caravela

Rotunda da Caravela 
 
Rotunda da Caravela
Situada no Rossio de São João, esta fonte luminosa decorada com motivos de água com a forma das velas das antigas embarcações utilizadas nas viagens dos Descobrimentos – as caravelas – simboliza o importante papel desempenhado pela cidade de Lagos durante esse período histórico, bem como a sua ligação histórica, social e económica ao mar.

 


Tríptico Alusivo a Alcácer Quibir 
 
Tríptico Alusivo a Alcácer Quibir
Da autoria de João Cutileiro, retrata a Batalha de Alcácer Quibir e o desaparecimento do Rei D. Sebastião. Localiza-se no Jardim da Constituição, próximo do antigo Castelo dos Governadores.

 


Vénus Deitada 
 
Vénus Deitada
Da autoria de João Cutileiro, esta peça em mármore foi realizada na década de oitenta. Pode ser apreciada no espaço público da Rua Portas de Portugal.

 


Painel de azulejos no Mercado Municipal 
 
Painel de azulejos no Mercado Municipal
Da autoria do artista plástico Xana, este painel de cromatismo enérgico pode ser apreciado na parede Sul do Mercado Municipal da Avenida.

 


Painel dos CTT 
 
Painel dos CTT
Painel de azulejos policromos composto por 182 placas de barro sobre os quais foi aplicado esmalte de alto fogo. Trabalho executado para os CTT em 1989 pela empresa Mosaicos Ideal, Lda., de Lisboa, segundo maqueta da autoria do artista Rosário Silva. É um mosaico de cromatismo saturado em que as formas estilizadas remetem para a situação geográfica de Lagos, na costa atlântica, com as suas praias e criaturas marinhas, onde não faltam os veleiros navegando na extensa baía; ao lado direito destaca-se o corneteiro no seu cavalo – ícone dos CTT que simboliza a velocidade, a ligação e a aproximação –, portador das mensagens que chegam a esta terra do litoral algarvio.


 

Painel da Ponte Pedonal 
 
Painel da Ponte Pedonal
Painel policromático em cerâmica, com 30m2, executado em placas de 20x30cm, sendo a separação das cores dos vidrados obtida por isolamentos a cera. Cozedura em forno a gás, à temperatura de 1040 graus centígrados. Realizado em 1991, pelo ceramista/escultor Jorge Mealha.

 


A Passagem 
 
A Passagem
Localizado no Cemitério de Lagos. Simbolizando a transição para o além, em Calcário “lioz” e “moca” da região. Da autoria de Tolentino Abegoaria.